sexta-feira, 26 de abril de 2013

Inverno chegando

Nunca achei que eu ia me acostumar ao frio, mas eis que esse dia chegou! Há umas duas semanas o outono deu as caras e as temperaturas começaram a cair, sinalizando o inverno que vem por aí.

O curioso é que eu milagrosamente não tenho sentido frio! De manhã é o momento mais frio, normalmente quando saio de casa tem feito 14, 15 graus, e consigo até aproveitar o fresquinho sem reclamar! Milagre divino!

O mais bizarro é que enquanto o Thiago – que sempre foi o calorento da dupla – já tem saído pra trabalhar com o sobretudo de lã, eu ainda estou indo de saia, blusa sem manga e um casaquinho leve. E no meio do caminho ainda tiro o casaco por estar sentindo calor. Nem me reconheço mais...

E pensar que há exato 1 ano atrás escrevi aqui no blog dizendo que “não tive coragem de sair de casa por causa do vento cortante e dos 15graus” (veja aqui: Artemis ia ficar orgulhosa se me visse agora! haha

Só não me acostumei ainda com o vento gelado, mas isso acho que ninguém se acostuma, é reclamação geral por aqui, mesmo entre os australianos.

Tomara que esse calor todo não seja passageiro e me mantenha aquecida nesse inverno. Fingers crossed!

quarta-feira, 24 de abril de 2013

O Brasil no exterior

O Governo Australiano tem uma página excelente e completa com aviso aos turistas com relação a dezenas de destinos ao redor do mundo.

A página do Brasil ( traz tantas advertências de segurança que eu não sei como os australianos ainda viajam pra lá. O pior é que não achei nada exagerado, é tudo verdade... Triste...

Eles fizeram um update recentemente, em 13/03/13, provavelmente por conta do violento ataque a dois turistas numa van (acho que nem preciso dar detalhes, o mundo todo ficou sabendo), seguido por várias notícias de assaltos em massa a grupos de turistas.

Amo o meu país, mesmo não morando mais lá, mas é tão triste ver essas coisas acontecendo...

Segue abaixo o que consta na parte de “segurança” sobre o Brasil:


We advise you to exercise a high degree of caution in Brazil because of the high levels of serious crime. Pay close attention to your personal security at all times and monitor the media for information about possible new safety or security risks. Violence and crime, often involving firearms or other weapons, can occur anywhere and at any time.

The incidence of violent crime, including muggings, armed robbery, home invasions, kidnapping (especially express kidnappings), and sexual assault, is significant, particularly in Rio de Janeiro, Sao Paulo, Recife, Salvador and other large cities. Carjacking is also common, particularly in major cities.

You should be vigilant, particularly in major cities. You are advised to avoid wearing jewellery and expensive watches, or carrying valuable items such as laptop computers. You are advised to dress down and carry minimal cash and credit cards, as victims are often targeted for perceived wealth or value of personal possessions.

Tourists are often targeted by criminals, especially directly prior to and during public festivals such as Carnaval. Petty crime such as pickpocketing and bag snatching is common, including by young men on motorcycles. Thieves operate in outdoor markets, in hotels and on and around public transport. Crime levels in shanty towns or ‘favelas’ and many satellite cities are very high. Tourists should avoid these areas, even with a well-organised tour group and especially at night.

Tourists have also been robbed and assaulted when using unregistered taxis. Use of a prepaid taxi ticket on arrival at the airport or taxis from registered taxi ranks may reduce the risk of robbery. As a guide, licensed taxis are generally required to have their photographic licence displayed.

During peak tourist seasons, large, organised criminal gangs have reportedly robbed and assaulted beachgoers. You should take a minimal number of personal belongings to the beach and leave passports, wallets and other valuables in a secure place. Isolated areas on the beach should be avoided, particularly in the early evening, when a high number of robberies occur. Sexual assaults have been reported in coastal tourist areas.

Some armed groups in Sao Paulo have begun robbing patrons in restaurants, both in rich and poor neighbourhoods.

If you are robbed or are a victim of an express kidnapping, you should cooperate and not resist as these situations can quickly turn violent. Victims have been seriously injured or killed when resisting perpetrators.

'Express kidnappings', where individuals are abducted for short periods for a quick payoff from the victim’s family, business or ATM cards are a significant threat. Vigilance is key. We also recommend approaching your car with the keys ready, driving with doors locked and windows up, and not remaining in parked vehicles. Take particular care if approached while sitting in a car or at the traffic lights, especially at night. Express kidnappings are common in major cities including Rio de Janeiro, Sao Paulo, Brasilia, Salvador and Recife. Victims, whom are frequently released in remote areas, should seek to alert authorities by approaching somebody at the nearest safe area, which could be a home or commercial establishment. Carjacking is also common, particularly in major cities.

Gang-related violence is common, particularly in the State of Sao Paulo and Rio de Janeiro. Incarcerated drug lords also orchestrate sporadic disruptions in Brazilian cities. While most of these types of incidents are targeted at police, local officials, and public infrastructure, you should remain alert and aware of local conditions at all times. Outbreaks of such violence are unpredictable and could occur at any time.

Criminal activities related to drug trafficking and trafficking of illicit goods are common along Brazil’s western and northern border areas, including the states of Amazonas, Acre, Rondônia, Mato Grosso, Roraima, Pará and Amapa, as well as the tri-border area of Argentina, Brazil and Paraguay.

Travellers should avoid leaving food and drinks unattended in bars and places of entertainment as there have been incidents of drink spiking.

Due to the risk of HIV/AIDS, victims of violent crime, especially rape, are strongly encouraged to seek immediate medical assistance.

Mobile phone cloning occurs in Brazil. You should take care of your handset at all times.

It is unlikely Brazilian police will be able to recover stolen property, however, we strongly recommend you obtain a “boletim de ocorrencia” (police report) at a “delegania” (police station) if any of your possessions are lost or stolen. In most cases, you will require a police report to lodge a travel insurance claim related to lost or stolen possessions.

Piracy occurs in the coastal areas of Brazil. See our travel bulletin on piracy. The International Maritime Bureau (IMB) issues a piracy report that displays all Piracy and Armed Robbery incidents reported to the IMB Piracy Reporting Centre.

Money and valuables

Before you depart Australia, organise a variety of ways to access your money overseas, such as credit cards, travellers' cheques, cash, debit cards or cash cards. Australian currency and travellers' cheques are not accepted in many countries. Consult with your bank to find out which is the most appropriate currency to carry and whether your ATM card will work in Brazil. Banking facilities such as ATMs, EFTPOS and credit card machines may be unreliable. Credit card fraud is widespread in Brazil. We recommend travellers using ATM or credit cards in Brazil check billing statements for unauthorised charges. ‘Good Samaritan’ scams are also common.

In efforts to combat fraud and thefts, many ATMS and banks do not permit withdrawals on foreign cards of more than R$400 per day and/or reduce the amount that can be withdrawn after-hours.

Make two photocopies of valuables such as your passport, tickets, visas and travellers' cheques. Keep one copy with you in a separate place to the original and leave another copy with someone at home.

While travelling, don't carry too much cash and remember that expensive watches, jewellery and cameras may be tempting targets for thieves (refer to Crime section).

As a sensible precaution against luggage tampering, including theft, lock your luggage. Information on luggage safety is available from Australia's Civil Aviation Safety Authority.

Your passport is a valuable document that is attractive to criminals who may try to use your identity to commit crimes. It should always be kept in a safe place. You are required by Australian law to report a lost or stolen passport. If your passport is lost or stolen overseas, report it online or contact the nearest Australian Embassy, High Commission or Consulate as soon as possible.

Australians are required to pay an additional fee to have their passport replaced. In some cases, the Government may also restrict the length of validity or type of replacement passports.

sábado, 20 de abril de 2013

Micos em inglês

Escrevendo o post anterior, me lembrei de vários micos que já cometi por aqui, assim como de alguns clássicos que ouvi de amigos, e resolvi compartilhá-los. (devo ter tomado palhacitos no café, hoje estou num espírito de rir de mim mesma – e dos outros – impressionante! rs)

- quando eu trabalhava num restaurante, algumas vezes me pediam um molho que eu não entendia bem o nome, entendia algo como “oyster sauce”. Na minha cabeça era um molho pra comer com ostras e eu chegava na cozinha reproduzindo isso. Na maioria das vezes me entendiam, ou me corrigiam a pronúncia mas eu não entendia o motivo da correção, parecia a mesma palavra, então ficava por isso mesmo. Até o belo dia em que eu, passeando pelo mercado, descobri que se tratava de “worcestershire sauce”, o nosso molho inglês... Até hoje me enrolo pra pronunciar isso, talvez fosse melhor ter ficado na ignorância...

- tenho uma amiga brasileira que diz ter muito problema em formular as perguntas em inglês, colocando os verbos no tempo e posição certa da frase. Então ao invés dela dizer “Have you finished your meal?” ela dá uma enrolada e solta algo como um sussurro ininteligível + “finish your meal” com entonação de pergunta. Parece funcionar, mas eu nunca tive a cara de pau de tentar...

- essa mesma amiga me contou que trabalhando em restaurante as pessoas nunca entendiam quando ela pronunciava a palavra “tartare” (de molho tártaro. Eu por sinal tinha o mesmo problema). Então ela ia tentando várias variações na pronúncia, tipo “tartáre”, “tarteir”, “tártar”, até alguém entender ou ela chegar ao fundo do poço e ter que soltar um “aquele molho verde que vc usa pra comer com o peixe, sabe?”

- o Thiago me contou que uma vez estava conversando com o chefe imediato dele no escritório e o chefe perguntou pq ele tinha decidido adotar o novo visual de barba. No que o Thiago respondeu “the big boss required”, querendo dizer “a patroa mandou”. Só essa tradução “livre” pro inglês não existe aqui, e o chefe ficou “hã, big boss???”. Claro que o Thiago teve que explicar que a “patroa” era eu... haha

- mesmo que eu entenda quando alguém fala comigo e me pede algo, muita vezes demoro uns 5-10 segundos pra processar o pedido mentalmente. Não que eu traduza pro português (o que não recomendo a ninguém, o ideal é vc pensar em inglês senão a fluência fica muito prejudicada), é que demoro mesmo pra processar (o Teco não fica muito perto do Tico dentro do meu cérebro, pelo visto). Um dia desses, uma advogada daqui do escritório me pediu algo e eu fiquei com a minha tradicional cara de paisagem enquanto processava o pedido, pelo que ela tentou explicar, reformular, e eu disse que não precisava, que tinha entendido, no que ela ficou super sem graça achando que estava sendo rude ao tentar me explicar como se eu não falasse inglês suficiente. Depois fui explicar a ela, brincando, que não ligasse pra minha cara de paisagem, eu tendo a fazer isso mesmo sem perceber. Tenho que trabalhar melhor essa minha “poker face”...

- a minha manager no escritório veio me dizer que teria que faltar pois faria uma cirurgia pra remover o que eu entendi ser “gold bladder”. Eu não perguntei por vergonha, mas fiquei dias encafifada com que diabos era isso. Sabia que bladder é bexiga, e imaginava que o que ela tinha removido fosse a vesícula, mas procurando no dicionário a palavra “gold bladder” eu não achava tradução plausível de jeito nenhum. Até que dias depois acordei da minha imbecilidade e fui procurar “vesícula biliar” no dicionário. Adivinhem a tradução em inglês? “gallbladder”! Quase acertei...

- quando comecei a atender telefone no escritório sofria por antecipação. Depois de fazer um roteiro com as frases prontas que eu podia falar fui me acalmando e quando não entendo o nome/sobrenome de alguém (tipo, 90% das vezes) peço para soletrarem e fazem na boa (aliás até os australianos pedem pra soletrar, os sobrenomes são mesmo complicados, ainda mais por ter muito nome estrangeiro, de toda parte do mundo. Tudo bem que eu peço pra soletrar até Smith, o nosso “Silva”... haha). Até aí ok, o problema é que meu dom pra entender quando soletram está longe de ser 100%. E olha que eu sempre cantei a musiquinha do ABC em inglês pra treinar! Na verdade o meu maior problema é com “e”e “i”, cujos sons são invertidos em português. Então quando pinta essas letras no nome eu sempre emperro e paro pra pensar, nisso já perdi o resto da palavra... Agora to tentando anotar sem parar pra pensar e se errar o “e” ou “i” me lixar, melhor do que errar o resto do nome todo.

- eu sei e todo mundo sabe que “push” é empurrar e “pull” é puxar. Isso está tão no meu intimo que nem traduzo mais pro português (erro fatal) e já entendo automaticamente que “push” é pra empurrar. O problema é ultimamente eu leio “push” e penso “tenho que empurrar, mas espera, isso veio muito fácil na minha mente, acho que estou confundindo com o português, deve ser o contrário” e lá vou eu puxar a porta. Sim, eu tenho problemas, eu sei... rs

- uma coisa que faço sempre (e não só eu, diga-se de passagem, o Thiago também é mestre) é soltar uma palavra em português sem querer no meio de uma frase em inglês. Tipo: “I went to that beach yesterday, the one close to the airport, sabe?” Se vc fizer isso bem rápido pode passar desapercebido se a pessoa entender o contexto. Se for com alguém que conheça minimamente o português, as vezes não passa. Tenho uma amiga coreana que de tanto ouvir eu e Thiago falando português entre nós já consegue pescar alguma coisa, então ela sempre sabe e aponta (rindo, claro) quando falamos uma palavra em português no meio da frase sem querer.

- outro dia eu fui na farmácia comprar bicarbonato de sódio. Segundo o Google translator, em inglês seria baking soda. Achei estranho, faz sentido quando é pra usar na comida, mas o de farmácia (aquele pra azia)? Enfim, lá fui eu na farmácia, tentei procurar sozinha e claro que não achei. Chega a atendente: “posso ajudar?” e eu “sim, eu queria baking soda, aquele em pó que se mistura com água e se toma pra azia, sabe?” (explicar com mil detalhes o que vc quer dizer se antecipando pro fato de vc estar usando a palavra errada é clássico! haha) Ela pareceu entender, não me corrigiu e disse que ali não tinha, pra procurar na farmácia tal. Fui na outra farmácia, fiz a mesma pergunta e o cara entendeu, achou o produto, mas não sem antes mandar: “oh, you mean sodium bicarbonate?” Ah, tá, valeu, a palavra é praticamente igual ao português, vivendo e aprendendo...

Em tempo: não recomendo que quando vc não souber uma palavra tentar mandar ela em português com um sotaque em inglês, pois o mico costuma ser inevitável. Mas quando se trata de medicamentos vale a pena tentar, pois os nomes são muito parecidos, se não iguais, só muda a pronúncia e o sotaque.

- continuando o item acima, tentar colocar um “tion” no final da palavra em português e achar que é o equivalente em inglês é pedir pra pagar mico. Ou tentar usar uma palavra parecida que tem um significado diferente, como “promotion” quando vc quer falar de promoção de uma loja, que aqui se fala “sale” (se bem que em algumas raras ocasiões já ouvi “promotion” também, mas não acho que seja o mais certo).

Tem uma lista bem interessante dos chamados “falsos cognatossite" nesse site:

Outro site que vale a pena ler é Estou me divertindo horrores com as gafes contadas la, como essas:

"Eu estava em Londres e havia me programado para viajar de ônibus para Liverpool. Como de costume, acabei perdendo a hora e fiquei desesperada. Um amigo australiano, que iria me acompanhar até a rodoviária, me convenceu, após muito esforço, a tentar trocar a passagem. Naquela época, eu acreditava que os ingleses eram muito rigorosos com essas coisas de horário e confesso que me deu vergonha de ir pedir para trocarem o bilhete. Na minha cabeça, seria um processo muito complicado e me daria mais dor de cabeça.

Como esse amigo insistiu muito, fui ao guichê e tentei explicar o meu caso. Disse: “Oh, I lost my bus! Could you change my ticket?” [Ah, perdi meu ônibus! O senhor poderia trocar a minha passagem?]. O homem no guichê, muito simpático, sorriu e me disse: “Yes, of course!” [Claro que sim!]. Mas antes de me dar outra passagem, ele parou, olhou para mim com um leve sorriso e perguntou: “So, how did you lose your bus? It’s a huge bus, you know? It’s quite difficult to lose such a big thing.” [Então, mas como você conseguiu perder o ônibus? É um ônibus enorme, sabia? Não é fácil perder uma coisa assim tão grande.] Sem entender o que havia de engraçado com a história, fiquei tentando explicar o que havia acontecido, ou seja, que eu tinha perdido a hora e, consequentemente, o ônibus. Mas os dois continuavam rindo. Finalmente, o australiano me explicou: “You miss your bus. You don’t lose your bus!” [Você perde o ônibus. Você não perde o ônibus!]

"Um amigo me disse que quando chegou aos Estados Unidos foi ao supermercado e perguntou ao balconista se eles tinham “preservatives“. Como o balconista não entendeu nada, ele voltou a perguntar: “Do you have preservatives?”, mas o cara não entendia mesmo. Como último recurso, ele acabou disparando um “you know, little shirts?”.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Dificuldades com o inglês

A partir de um email que respondi hoje, me dei conta de como esse tópico é importante pra quem se muda pra Austrália (obrigada Renato pela idéia!).

Em primeiro lugar, tenho que destacar que falar sobre as dificuldades com o inglês é meio relativo, pois tudo vai depender da percepção de cada um. Conheço estrangeiro aqui que fala bem mal e não se incomoda com isso, desde que seja entendido. Já eu sou super critica e acho que meu inglês nunca vai ser bom o suficiente...

Pra dar parâmetros mais realistas, vamos lá: quando eu fiz o IELTS (o geral, não o acadêmico) antes de vir pra cá, tirei média 8 (sendo que a máxima é 9), sendo que no “listening” tirei a nota máxima. Com isso todo mundo me dizia que meu nível de inglês já era bem avançado. Não é que eu discorde, pra uma viagem de turismo estava mais do que bom, mas pra morar aqui a coisa era diferente...

Minha maior dificuldade no início era entender as pessoas no telefone. Discutir com fornecedores de serviços, então, era um suplício! E as entrevistas de emprego por telefone? Eu quase tinha um treco, não entendia metade, pegar o nome da pessoa e da empresa então era tarefa quase impossível. Não que meu inglês não fosse bom, mas no telefone tudo fica mais difícil e eu ainda ficava nervosa com a ligação, com receio de pedir pra pessoa repetir e soar estúpida, etc.

Aos poucos fui pegando mais confiança e posso compartilhar algumas dicas/percepções:

- no inicio é difícil pra todo mundo que não é “native speaker”, e isso tem muito a ver com seu nervosismo e a insegurança, tanto que é impressionante como depois de umas cervejas o inglês flui muito melhor... haha Autoconsciência das suas limitações é uma bosta, só faz vc se travar mais pra falar em outra língua. Nisso a prática ajuda e muito (se vc for desencanado e cara-de-pau, sorte a sua, vai se sair bem mais facilmente!).

- em entrevistas de emprego uma dica que me ajudou muito foi sempre no final da conversa perguntar: “I’m sorry, what is your name again? And you are from ___ (recruiter ou empresa), right?” Perguntar – e/ou confirmar – no final é mais fácil pois vc já está mais calmo depois da conversa. E não se preocupe pois isso é super normal e até os australianos fazem ao telefone. Ninguém vai te achar ruim no idioma por causa disso.

- no curso que fiz com dicas para arranjar emprego a professora dizia que o ideal (principalmente para imigrantes) é sempre que alguém te ligar dizer que vc está no transito e a ligação não está boa e pedir pra retornar em seguida. Isso te dá chance de ir pra um lugar mais calmo e/ou se preparar para a ligação, relembrando a vaga, a empresa e o que vc vai falar. Parece muito útil na teoria, mas eu nunca consegui aplicar. Quando me ligavam eu ficava tão ansiosa pra me sair bem que achava que pedir para ligar depois podia me fazer perder a oportunidade. Hoje penso diferente e acho que vale a pena sim, me lembro de algumas vagas que perdi nesse contato inicial no telefone simplesmente porque não sabia bem de que vaga se tratava e dei uma “roupagem” diferente pra minha experiência profissional, pra no final ouvir do recrutador que ele procurava um perfil diferente. Fora as vezes que atendi na rua, com barulho, e isso dificultava e muito entender a outra pessoa.

- um ponto importante é que qd não entendia algo, sempre achava que o problema era comigo, com o meu sotaque, mas depois de um tempo descobri que muitas vezes o problema é com o outro. Tem muita gente que mora aqui e também não é native speaker, e o sotaque de asiáticos, indianos e afins é muito mais carregado que o nosso. Ou seja, não leve sempre pro pessoal, o problema pode não ser com o seu inglês e sim com o do outro.

Um exemplo: tem uma advogada aqui no trabalho que eu tinha dificuldade de entender, pois ela fala muito rápido. Um dia quando estavam todos reunidos conversando descontraidamente, e eu entendendo apenas uns 70% do que ela falava (mas com vergonha de dizer algo), outro australiano presente pediu pra ela repetir o que falava mais devagar, pois ninguém estava entendendo. rs

- nos trabalhos que eu fiz em hospitality, eu sofria com o vocabulário especifico de utensílios de cozinha, alimentos, etc. O mesmo aconteceu qd comecei aqui no escritório. Mas isso melhora com o tempo.

- mesmo seu inglês sendo mais fluente, vc sempre terá “dias sim” e “dias não”. Tem semana que parece que eu regredi, as palavras não saem, erro aos montes, mal consigo manter um dialogo. Esqueço metade do meu vocabulário e quase tenho que recorrer a mímica pra explicar o que quero saber (como no dia que esqueci a palavra “dryer”, aquele que tem nos banheiros pra secar a mão, e fiquei falando pra uma advogada daqui “you know, that thing with hot air in the toilet” haha). Em tempo: as palavras "that thing", "this", "that", "get", "do", "make" sao a salvaçao, substituem quase tudo numa frase, desde verbos mais complexos até um vocabulário mais extenso. Tudo bem que vc vai soar quase como um analfabeto, mas ai já sao outros quinhentos... haha

Em outras semanas, como essa, sou capaz resolver o pepino de várias pessoas do escritório com a operadora de celular, discutir erros técnicos na conta e ainda conseguir $2.000 de desconto! Na semana que vem pode ser que o “Teco” volte a hibernar e o “Tico” fique sozinho novamente... rs

- me lembro que quando eu cheguei aqui o simples fato de pedir um café era um problema, eu tinha que repetir mil vezes que a outra pessoa não entendia. P. ex., eu só bebo “short black”, o nosso expresso brasileiro. Mas se eu pronunciasse todas as letras a outra parte não pescava. Até o dia que eu comecei a imitar os australianos e pedir pronunciando algo como “shorblec”: milagre milagroso, todo mundo passou a me entender. As vezes tudo é uma questão de vc pronunciar como eles estão acostumados a ouvir. Até hoje o Thiago fica p. da vida quando os atendentes não entendem o pedido dele para um “mocha” (outro tipo de café), ainda mais qd eles não entendem ele mas entendem quando eu peco. Falo pra ele mudar o gosto e pedir um “capuccino”, pois isso todo mundo entende. haha (tomara que ele não leia esse post...)

- por mais que meu inglês tenha melhorado, ainda sofro com piadas e sarcasmo. Os australianos são muito sarcásticos e falam bem sérios, então é duro pra quem é de fora saber quando eles estão brincando ou não. Isso já me rendeu vários vexames... Meu chefe, p.ex., vira-e-mexe fala algo sarcástico e há duas hipóteses: 1) eu não sei diferenciar se ele está falando sério ou não e opto por ficar calada; 2) quando diferencio, entendo e preparo a resposta, ele já está a quilômetros de distancia e pronto, perdi o timing. Ele deve me achar a pessoa mais sem senso de humor do planeta, ou então um bobo da corte, pois vivo dando umas risadinhas pra disfarçar. haha

- muitas pessoas quando falam com vc, sabendo que vc não é “native speaker”, vão naturalmente falar mais devagar ou maneirar nas gírias. Isso não é regra, mas acontece. O duro é quando vc tem que se enturmar num ambiente de trabalho onde vc é a única estrangeira... Se eu estou numa conversa 1x1 é tranqüilo, por outro lado expor suas idéias num grupo, no timing certo, é um desafio. No geral passo a reunião inteira mentalizando uma boa frase pra falar e no máximo consigo soltar um ou dois míseros bons comentários durante toda a conversa. haha

- pense que todo mundo (sim, todo mundo!) que vem de outro país passa por isso, em maior ou menor grau. Talvez isso te deixe mais reconfortado (não me ajudou, mas enfim, vai que serve pra alguém... haha)

- vc pode dar a sorte de ser contratado por uma empresa com muitos estrangeiros e isso ajuda bastante, pois todo mundo vai ter o mesmo problema que vc e se comunicar vai ficar mais fácil. Se vc, como eu, for trabalhar num escritório onde só tem australianos e americanos, bom, ai vc corre o risco de ser visto como o bobo da corte que não consegue dar uma resposta rápida e inteligente (meu caso). haha Tente compensar com trabalho árduo e competência, isso costuma ajudar!

Hoje, depois de pouco mais de 1 ano morando na Austrália, considero que entendo uns 99,9% do que as pessoas falam, mas mesmo assim as vezes tenho problemas com filmes com muitas gírias (Django foi bem difícil de pescar tudo), ou com pessoas com sotaques diferentes ou até jeito de falar diferente. Tem uma secretária australiana aqui no escritório, p.ex., que me custa entender o que ela fala. Um dia ela resolveu me ligar e falou uma parada que eu não entendi lhufas. Pedi pra ela repetir: nada. Pedi a segunda vez: nada de eu entender. No fim eu soltei um “yeah, I know” e fica por isso mesmo. haha As vezes fico pensando que ela deve me achar uma tapada, aliás muita gente deve

Mas falando sério, eu acho que muito disso é devido a uma autocrítica muito forte. Porque o que escuto é que meu inglês é ótimo (se bem que quando vem acompanhado do fatídico “pra quem está na Austrália há 1 ano” fico sempre na duvida se foi realmente um, e nunca ouvi de recruiter ou empresas que meu nível de inglês seria um impeditivo pra conseguir a vaga, muito pelo contrário.

O fato é que por mais que seu inglês seja muito bom, vc sempre vai ser um estrangeiro, nunca vai conseguir pegar 100% o sotaque ou mesmo o background deles de cultura geral. Eu falo super rápido em português, e em inglês fico titubeando algumas vezes e isso é super frustrante. E também motivo de longas conversas filosóficas com outros amigos estrangeiros. No fundo acho que somos muito críticos, mas como não ser? Quando se vem pra cá como imigrante, pra construir uma vida aqui, tudo que vc quer é ser reconhecido como nativo. Esqueça, isso não vai acontecer, seus filhos nascidos aqui serão nativos, vc não. Mas isso não é necessariamente ruim, é o mesmo que uma pessoa do RJ que more em SP ser sempre visto como “o carioca” por causa do sotaque. Mas dá pra chegar num nível em que vc, apesar de não ser “native speaker”, seja considerado fluente pra todos os fins necessários.

Claro que todo mundo pode sempre melhorar, se aperfeiçoar, e um pouco de autocrítica não faz mal a ninguém. Mas tente relaxar e não se preocupar tanto com isso, o resto vem com o tempo e a prática.

O duro é quando vc começa a esquecer as palavras em português e seus amigos no Brasil acham que vc está ficando muito metido...

P.S.: Alguns empregos podem exigir menos do inglês que do outros. Certamente seu nível de inglês pra trabalhos casuais precisa ser menor do que quando vc quer trabalhar em escritório. A área também pode influenciar, se vc for, p.ex. da área de TI, como a oportunidade de emprego é maior (e mais bem remunerado, mas isso é assunto pra outro, talvez a exigência do nível de inglês seja menor (pelo menos é o que eu percebo de amigos que trabalham nessa area). Tenho que me lembrar de estudar TI na próxima encarnação, BTW (by the way, pra quem não conhece)... :-)

sábado, 13 de abril de 2013

O outro lado

Antes de nos mudarmos pra Austrália, lemos muitos blogs na internet sobre o assunto. Uma coisa que sempre nos incomodou foi o fato de em muitos deles só ser retratado o lado bom da experiência.

Sim, eu sei que as pessoas tendem a só falar das coisas boas, seja em facebook, no twiter, nas redes sociais de uma forma geral. É como se todo mundo fosse feliz e radiante 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Eu entendo isso, de verdade, afinal ninguém gosta de alguém que fica reclamando da vida a todo momento. Só acho que quando se passa por uma experiência tão radical como mudar de país, largar família, amigos, toda a sua segurança, soa falso pensar que tudo possa ser fácil e maravilhoso o tempo todo.

Digo isso pois por mais que eu e Thiago sempre soubemos o desafio que era a experiência, confesso que achava que seria bem mais fácil. Então acho que tenho meio que a obrigação de transmitir isso aos que pensam em fazer o mesmo. Até porque acho que dividir esses sentimentos faz os outros se sentirem um pouquinho melhores por não serem alienígenas e estarem passando por momentos difíceis quando parece que todo mundo a volta está achando a experiência linda e maravilhosa.

Claro que cada pessoa encara a vida de uma forma diferente, há quem saiba lidar melhor ou pior com os obstáculos, mas dizer que tudo é 100% perfeito, 100% do tempo, desculpe, mas é 100% falso.

Já dissemos nesse blog que nem sempre tudo foram rosas. Os primeiros 6 meses foram infernais, os 6 seguintes foram um pouco melhores (ou melhor dizendo, menos piores) e só depois de 1 ano é que as coisas começaram a se assentar.

Hoje digo com toda convicção que não penso em voltar pro Brasil, que estamos felizes aqui. Mas nem sempre foi assim... Muitas vezes pensei em voltar, algumas fiquei deprimida. Amigos e família fazem falta (sempre), lidar com os problemas do dia-a-dia em inglês é cansativo (ou melhor, “exhausting”), tem horas que parece que o cosmos está conspirando contra você. E isso longe da sua “casa”, do seu porto seguro, é muito difícil de lidar.

Por isso, se vc está pensando em vir morar na Austrália (ou qualquer outro país) meus conselhos são:

1) tente não elevar muito suas expectativas, as coisas podem não acontecer como vc espera.

2) venha aberto a uma nova cultura, novos hábitos, novos paladares. Se prender ao que tem no Brasil e não tem aqui só vai te fazer ficar preso no passado e não se abrir a novas experiências.

(isso vindo de alguém que “importa” clandestinamente mate leão do Brasil e mantém um estoque de 3 caixas em casa pros períodos de seca... haha Como diz o ditado: “faça o que eu digo, não o que eu faço”. Em minha defesa tenho a dizer que isso é exceção, de uma forma geral já me desapeguei e “abracei” um novo paladar - TIM TAM, cookies, banana bread... haha)

Um adendo: não estou dizendo pra abandonar de vez as comidas brasileiras e a cultura de seu pais. Claro que não! Nós vamos sempre em Petersham comprar feijão, farinha de rosca, pão de queijo e outros mais. Mas isso não significa que também não tenhamos aderido à vasta opção de restaurantes da cidade, com pratos do mundo todo e provado de tudo.

3) o começo é realmente difícil, todo mundo diz isso e vc só pensa que é conversa pra boi dormir, mas não, daqui a 1 ano vc também vai estar falando o mesmo pra quem acabou de chegar.

4) se permita ficar triste às vezes, faz parte. E todo mundo passa por isso, mesmo aqueles que não contam essa parte.

5) se depois de um tempo vc ainda assim não se adaptar à nova cultura, não tenha vergonha de voltar pro Brasil, ou tentar a vida em outro país. A Austrália é um ótimo lugar pra se viver, mas não significa que essa tenha que ser a opinião de todos. Eu amo, mas tenho uma amiga que está detestando a experiência e só fala em voltar pro país dela.

6) nunca se arrependa do que fez, só do que não fez. Cada caminho que escolhemos não é melhor ou pior que outro, só diferente, e traz seus ônus e bônus.

Pra quem quiser trocar ideias, fique a vontade pra me escrever:

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Sobrenomes - a saga!

Se vc é brasileiro e tem mais de um sobrenome (caso da esmagadora maioria) esse post é pra vc! haha

Tudo bem que eu sempre achei que meus pais exageraram nos meus 3 sobrenomes (com um “de” no meio pra ser a cereja do bolo), que juntos somam 22 letras, mas nunca achei que iam me causar tantos transtornos como aqui na Austrália...

Explico: aqui a regra geral é name + middle name + surname. O segundo é opcional. Na prática se usa o primeiro nome e o sobrenome de família.

Daí porque ninguém entende como eu posso ter 3 sobrenomes! E grandes!

Toda vez que tenho que soletrar meus sobrenomes me sinto como naquelas competições de crianças que vc vê nos filmes/seriados americanos, saca? Pois é, inglês não é minha língua nativa, até hoje eu confundo o som do “e” e “i” na hora de soletrar e sou agraciada com um sobrenome grande e cheio de “es” e “is”, com silabas como “uei” e "au" que os australianos simplesmente não conhecem e não sabem pronunciar.

A situação é tão recorrente que sempre que me pedem meu sobrenome já falo de antemão: “sim, tenho 3 sobrenomes. Não, meus pais não quiseram me sacanear, é só tradição no meu país”. haha

Pra vcs sentirem o meu drama, seguem algumas das situações que já passei:

- pra cada cadastro que faço resolvem abreviar meu sobrenome de uma forma. Acho que não tenho 2 cadastros iguais...

- na hora de comprovar residência pra tirar a carteira de motorista, exigiram um “bank statement” com meu nome completo. Fui no banco e me disseram: “mas seu nome todo não cabe no nosso sistema” (?!?). Minha resposta: “se vira” (de forma mais educada que isso, claro. rs). E se viraram...

- eu tinha 2 contas de superannuation (tipo um fundo de pensão, um dia falo dele) com a mesma empresa, e não conseguia consolidar pela discrepância de sobrenome (abreviado em uma delas). Como não era algo urgente, deixei pra lá. Até que alguns meses depois a empresa se deu conta de que era eu em ambas as contas e fez a consolidação espontaneamente. Vai entender...

- tentava acessar o site do plano de saúde, digitava meu nome + sobrenome e nada. Até que liguei pra lá e descobri o que impedia: meu sobrenome (um deles) estava cadastrado como primeiro nome (?!?). É uma festa, as vezes acho que as empresas fazem loteria com meu nome na hora de fazer o cadastro...

O Thiago tem 2 sobrenomes, mas como são curtos as pessoas aqui acham que o primeiro sobrenome é o nome do meio e passa batido. Já eu...

Se vc está pensando em vir morar na Austrália e tem 3 sobrenomes ou mais, o que tenho pra dizer é: meus pêsames!

terça-feira, 9 de abril de 2013

Direito do consumidor na Austrália

Esse é outro post que estou há um tempo pra escrever, mas a verdade é que o tema me irrita tanto, mas tanto, que sempre adio. Hoje minha paciência deve estar A verdade é que o assunto pode ajudar outras pessoas na mesma situação, então vamos lá.

Primeiro um prefácio da situação: quando nos mudamos pro apartamento em que estamos, em julho passado, a própria imobiliária fez o contato com a empresa de gás e luz para fazer a ativação inicial e colocar no nosso nome. Tudo rápido e fácil (tirando a briga que é pra eles entenderam todos os nossos, pensamos à época. Ledo engano...

Aqui na Austrália esses serviços funcionam assim: uma empresa do governo é responsável pela instalação dos canos, etc, assim como pela leitura dos medidores. Essa leitura é encaminhada a empresa privada que vc escolher para te “prover o serviço”, ou seja, te cobrar. Essa cobrança normalmente é de 3 em 3 meses. Vc pode escolher uma empresa pra luz e outra pro gás, ou a mesma para os dois serviços. E pode mudar de provedor (ou melhor dizendo “cobrador”) a qualquer momento.

No nosso caso a imobiliária fez a conexão com a TRU Energy (atualmente chamada de Energy Australia).

Passados os 3 primeiros meses veio a conta de luz, e nada da de gás. Começamos a cobrar a conta (tem gente que simplesmente deixa pra lá, o que não faz sentido pra mim, pois vou ter que pagar mais cedo ou mais tarde, não tem porque ficar acumulando e ser cobrada de uma bolada séculos depois). Ligamos 1, 2, 3, 10 vezes e sempre diziam que era estranho a leitura não ter sido computada, que iam regularizar e nada.

Depois de muito perturbarmos, em janeiro (6 meses morando no apto) veio a conta dos 3 primeiros meses: $800! Quase enfartei! Normalmente o valor para o nosso tipo de consumo gira em torno de $50 a $100 por 3 meses, e estavam nos cobrando 8 vezes isso! O Thiago ligou pra reclamar, disseram que estava certo e ele veio me transmitir essa resposta. Quase matei ele! haha Não senhor, liga de novo e abre uma reclamação formal. Nessa segunda ligação um outro atendente reconheceu que o valor era mesmo elevado e abriu uma reclamação formal. Disseram que iam realizar outra medição e até isso ser feito a cobrança estaria suspensa.

Passaram semanas, fizemos mais inúmeras ligações cobrando uma posição e nada... Nesse meio tempo o Thiago foi até o medidor e descobriu o problema: a leitura é feita em metros cúbicos, mas o nosso medidor (um deles, já que o outro está correto) lê em decalitros. O que não seria problema algum, basta que seja feita a conversão pra metros cúbicos (conta ridícula de ser feita, diga-se de passagem, basta desconsiderar os 2 últimos dígitos). Claro que os boçais da companhia de gás não conseguem fazer isso, afinal, eles não são pagos para raciocinar!

Fizemos um email explicando isso, que não havia problema nenhum no medidor, bastava que eles convertessem a leitura antes de aplicar os índices para cobrança. Anexamos foto e tudo. Adivinhem a resposta: "senhor, a sua foto mostra a leitura meses depois da que foi usada para a cobrança, e o medidor continua em andamento, por isso a discrepância". Ah???!!!??? Eles só podem estar de brincadeira conosco... Mais trocentas ligações e emails reclamando e pedindo uma solução.

Nisso já se passaram quase 2 meses, minha paciência se esgotando e resolvemos fazer uma reclamação no Ombudsman (, tipo uma ouvidoria, um órgão independente e regulador do setor. O Ombudsman manda um email pra Energy Australia dando um prazo de 5 dias pra eles nos darem uma resposta.

Agora vem a melhor parte: não só não recebemos resposta como é feito um débito na nossa conta bancaria no valor de $1.500! Esse dia eu não enfartei, mas estragou a minha noite e me deixou realmente abalada. Uma sensação de impunidade, de estar com as mãos atadas... (antes que alguém comente, sim, esquecemos de tirar a conta do débito automático, burrice mor, mas no meio dessa confusão toda nem nos lembramos desse detalhe, ou cogitamos que a companhia pudesse ser tão ruim a esse ponto)

Claro que o Thiago ligou pra Energy Australia e eles disseram que iam reembolsar em 5 dias úteis (o que eu já achei um absurdo, pois como ia pagar meu aluguel até lá?). Isso foi numa quinta. Na segunda liguei de novo pra cobrar e me informaram que nada estava sendo processado e que eu deveria mandar um email pra um setor x com a cópia do meu extrato bancário. Peraí: extrato bancário pra provar que eles me roubaram um valor que eles mesmo reconheciam ter debitado e constava no sistema deles? Resposta: “sim, sra., é o procedimento padrão”. Mandei o email há quase um mês atrás e claro que até hoje não recebi o dinheiro de volta.

O curioso é que esse valor é quase o dobro da conta que recebemos, como pode? Resposta da Energy Australia: trata-se de cobrança dos 3 primeiros meses + os 3 meses subseqüentes. Como pode se nem conta recebemos pra essa segunda cobrança? Ninguém sabe...

Nesse meio tempo me irritei e resolvi tomar as rédeas da discussão, passei a ligar pra Energy Australia todos os dias. Até que eles pararam de atender minhas ligações – literalmente! – sob a alegação de que o caso estava com o departamento de resolução de conflitos e o responsavel do setor iria entrar em contato. Claro que não fez até hoje...

Me restou ligar pro Ombudsman e soltar os cachorros neles, que deviam auxiliar a resolver o problema e não fizeram nada. Só então eles resolveram se mexer e assumiram a causa pra eles, disseram que iam analisar nossa conta e tomar uma decisão, e que a Energy Australia teria que respeitar a decisão deles. Isso foi há quase um mês e nada...

Fato curioso: da ultima vez que falei com o Ombudsman me disseram: “não adianta a sra. ficar ligando pra cá, tem que esperar o seu caso ser alocado pra um especialista e entao a sra. será contatada. Até lá qualquer mudança no status vc nos avisa, se eles cobrarem mais alguma coisa, se cortarem seu gás”. Como assim cortarem meu gás??? Há essa possibilidade??? “A rigor não, já avisamos a eles pra não fazer isso, mas just in case...” Lá vou eu contar até 10 (ou mil) de novo...

No dia que fizeram o débito na nossa conta bancária, entrei em contato com um advogado australiano pra saber que medidas legais eu poderia tomar. Basicamente a resposta dele foi: senta e espera. What??? Esse estilo “no worries” dos australianos me irrita algumas vezes... O que depreendi da conversa com o advogado e do que tenho lido foi:

- Vc tem que esperar a empresa prestadora do serviço dar uma posição sobre o seu caso pra só então buscar outra instancia. Ou seja, se eles nos responderem que a conta está certa sim e temos que pagar, aí sim podemos acionar a justiça. E se eles ficam nessa omissão, como fazem ha 3 meses? Senta e espera. WTF!?!?!

- Acima da empresa vc pode buscar ajuda do Ombudsman, como fizemos. Agora temos que esperar a resposta deles pra tomar qualquer outra medida.

- Medidas judiciais aqui não significa os juizados ou varas cíveis como no Brasil. Ajuizar um processo é caríssimo e não compensa se a discussão envolver valor baixo. A saída é ajuizar uma “claim” (tipo um processo) em um dos “Tribunals” (que aqui é como um Procon do Brasil), um órgão administrativo do governo, desvinculado dos Tribunais de Justiça. A grande diferença é que enquanto no Procon vc só consegue uma conciliação com a empresa, aqui nos “Tribunals” se não há conciliação existe um mediador que vai analisar o caso e tomar uma decisão, que possui efeitos legais e obriga as partes.

- No caso envolvendo direito de consumidor, vc tem uma opção anterior ao “Tribunal” que é ajuizar uma “complaint” (reclamação) junto ao NSW Fair Trading ( Mas esse órgão só atua como conciliador, entao não vejo muitas vantagens comparando com o Ombudsman.

- Para ajuizar uma ação no Tribunal, no caso o “Consumer, Trader & Tenancy Tribunal” (, vc tem que completar um formulário e pagar uma taxa (que varia de $37 a $197, dependendo do caso). Ao receber a ação o Tribunal marca uma audiência entre as partes para conciliação em até 6 semanas. Se não houver conciliação, o caso vai para decisão. O curioso é que, pelo que li no site, cada parte tem que arcar com seus custos. Ou seja, mesmo que eu ganhe a ação não serei reembolsada do valor que paguei para ajuiza-la. Justo, muito justo...

Ainda não tomei medida mais drástica como acionar o Tribunal pelo preço que não acho que compense no momento e pelo tempo que gastarei (acabei de começar no trabalho, como vou ficar saindo pra audiências?). Por enquanto sigo aguardando uma posição do Ombudsman pra só então dar mais um passo.

Resumo do longo post:

1) prestação de serviços e atendimento ao consumidor são ruins no mundo todo

2) vc faz tudo certinho, paga em dia, e mesmo assim a empresa se acha no direito de te f...

3) se vc veio morar na Austrália, esqueça juizados especiais, dano moral, multa diária pra empresa que comete abusos (nunca pensei que eu ia sentir falta da justica brasileira...)

4) tudo bem que sou irritada de nascença, mas as vezes tenho vontade de mandar um australiano pegar o “no worries” dele e colocar naquele lugar... haha

5) o que não tem remédio remediado está. Cansei de me revoltar, xingar, estrebuchar. Agora sento e espero. Quem sabe em 2014 o assunto seja resolvido? Ou não...

segunda-feira, 8 de abril de 2013


Eu e Thiago nunca fomos de nos interessar por jardinagem (tá, confesso que eu nunca curti isso, nunca tive paciência pra cuidar de planta ou animal de estimação... rs), mas quando nos mudamos pro nosso apartamento atual, a vasta varanda pedia uma decoração.

Nós que nunca tivemos um apartamento com varanda, nos empolgamos na decoração: banco de madeira, mesa, churrasqueira (achada no lixo, believe it or not, mas em perfeito estado – veio até com um saco de carvão dentro!), guarda-sol (bate sol a manhã toda) e, claro, os vasos de planta.

Aliás, os vasos também achamos na lixeira do condomínio – dois grandes vasos, um quadrado e outro retangular. Pena que esses não vieram com sementes, terra, adubo... rs

(parênteses: não sei se já falei aqui, mas na Austrália muita coisa se reaproveita. É comum as pessoas colocarem na lixeira – ou na calcada mesmo, nos dias de coleta pré-estipulados pela prefeitura – coisas novas, já que móveis e até eletrônicos são relativamente baratos, então muitas vezes não faz sentido revender. No inicio o Thiago era o perfeito gari: cada dia chegava com uma aquisição nova. Foi televisão (de 29 polegadas e em ótimo estado!), aquecedor portátil (que nos salvou no inverno até comprarmos um maior), varal de roupas, churrasqueira, vasos de plantas, moedor de café. Depois de um tempo ele deu uma parada na reciclagem, até porque pra quem chegou só com 6 malas grandes já adquirimos tralha considerável em um ano. Antes carregávamos tudo a pé, mas agora com o carro fica mais fácil ir garimpar em bairros mais ricos, então tá chegando a hora de trocar nossas aquisições por outras mais modernas, a TV por outra de LCD, a churrasqueira por outra maior... haha)

Com todas as tranqueiras móveis que compramos pra varanda e graças ao meu digníssimo marido que apesar de ser arquiteto quando se trata de gastar esquece de suas habilidades e não mede a varanda antes (mesmo me garantindo que fez e está tudo sob controle, os móveis vão caber perfeitamente), a arrumação ficou meio, digamos, apertada, e acabamos tendo que mudar um dos vasos pra varanda do quarto (menor em tamanho, mas serviu a seu propósito).

Com isso agora temos duas pequenas hortas que, graças ao trabalho árduo do Thiago (e, não, não estou sendo sarcástica, ele realmente tem dom pra coisa, ainda que meio no instinto pois como todo bom homem ele se recusa a ler e pesquisar sobre o assunto), tem crescido lindamente.
Pena que as plantinhas são meio sazonais, os lindos girassóis que nasceram num dos vasos (foto abaixo) já morreram graças ao vento maldito (juro, parece que tem um tornado morando permanentemente em cima de Sydney, ô cidade pra ventar!) e agora estamos numa nova tentativa com varas de bambu pra ver se ajudamos a sustentação dos pobrezinhos.

Na varanda do quarto, nasceram lindas gérberas coloridas (foto abaixo), mas que também foram maltratadas pelo sol insistente que fez em março.

A última surpresa que tivemos foram os temperos que nasceram e já foram devidamente aproveitados no almoço da semana passada. ;-)

Aí me empolguei e comprei até um vasinho de tempero (nunca sei o nome deles, e sim, sou um caso perdido na cozinha – outro ponto pro Thiago!) que me surpreendeu recentemente com uma florzinha brotando! Fofa!

Até que eu to gostando dessa história de horta! Desde que não caiba a mim cuidar... rs

sábado, 6 de abril de 2013

Centennial Park

Como já comentei por aqui, já estivemos em muitos parques aqui por Sydney, mas o Centennial Park continua sendo o meu preferido. Talvez seja o grande espaço verde, a infraestrutura, o lago no meio dele, o fato de ser perto de casa, a boa ciclovia, enfim, o fato é que ele é meu xodó.

Da última vez que estive lá pra uma corrida, aproveitei pra tirar umas fotos, que compartilho abaixo.

Vista do lago:

Até equitação tem por lá:

Nesse dia estava tendo o Sydney Food Festival, por isso as tendas armadas, mas acabamos não entrando pois tinha que pagar pra entrar e tínhamos um compromisso logo em seguida:

Thiago fazendo pose na ciclovia (só pose mesmo, pois correr que é bom, nada... rs):

Um dos vastos gramados que o pessoal usa pra jogar futebol (o australiano, claro):

Nessa foto abaixo até não parece muito, mas a ciclovia costuma estar bem cheia nos fins de semana, especialmente com o tempo bom como nesse sábado que estivemos lá. O curioso é que a ciclovia não é propriamente uma ciclovia, pois é só para pedestres. Quem vai de bicicleta tem que andar na rua com os carros, no canto esquerdo onde tem uma linha divisória. E detalhe: só pode andar no mesmo sentido dos carros. Como a pista não é mão dupla, o ciclista tem que dar a volta completa no parque para retornar ao ponto de partida. Tudo bem que não é muito grande, correndo eu levei uns 20 minutos, então de bicicleta deve ser a metade disso.

Detalhe para a faixa de travessia das crianças:

Um dos bucólicos banquinhos espalhados pelo parque:

Aluguel de bicicleta e pedalinho. Como eu não curto pedalar, nem me interessei por ir la ver o preço... rs

Restaurante dentro do parque, onde acredito que façam também festas privadas. Deve ser o máximo fazer uma festa lá, quem sabe um dia não me animo...

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Festival português em Petersham

Alguns domingos atrás – dia 17 de março, pra ser mais precisa – fomos no festival português que acontece todo ano em Petersham (mais conhecido como o bairro português).

Além das barraquinhas com comidas típicas (nos acabamos nas sardinhas, nas bifanas – sanduíche de carne de porco -, no pastel de Belém, nos tremoços) tinham outras com cerveja e vinho português, artesanato, e um palco com atrações tipicas, sendo que o ponto alto do dia foi o show do “The Gift”, banda de rock portuguesa de muito sucesso por lá (ótima, por sinal).

Minha única crítica foi em relação a “intromissão” do Brasil na festa, com uma ou outra barraca com salgadinhos e um grupo tocando axé e capoeira. Não me entendam mal, longe de mim não gostar das tradições do meu país e de sua vasta cultura. Só não acho justo que sempre tenha algo do Brasil nas festas portuguesas e a recíproca não seja a mesma. Aliás, com nossos amigos portugueses temos visto que eles sabem muito mais sobre a cultura brasileira do que nós sabemos da deles. Os portugueses no Brasil são muito lembrados pelas piadas e estereótipos (que eles detestam, com toda razão), mas fora isso não vejo muito interesse dos brasileiros. Talvez isso se deva ao fato do Brasil ser muito fechado culturalmente (na minha humilde opinião) a tudo que vem de fora (tirando os EUA, lógico). Claro que temos uma cultura muito rica, uma música sensacional, mas acho meio injusto que o mercado brasileiro seja tão fechado a tanta coisa boa que é feita mundo afora e não apenas em língua inglesa. Há muita banda sensacional na América Latina (sou fã da música latina, diga-se de passagem), e em muitos outros países dos quais nem ouvimos falar. Essa banda portuguesa mesma, o “The Gift”, tocam uma música de altíssima qualidade, fazem sucesso não só em Portugal como em outros países, e nem ouvimos falar no Brasil, mesmo eles falando português, o que em tese facilitaria a comunicação.

Então eu acho sim, que se o festival é português deve ter só comida e música portuguesa. Ou então que pelo menos haja a recíproca nos festivais brasileiros. E tenho dito! :-)

Vamos as fotos:

Churrasco português

Cerveja portuguesa – Sagres

Barraquinha de artesanato

Show do “The Gift”

Os brasileiros invadindo a festa

Pra terminar, uma aula de "português" para brasileiros. Diz o Thiago (e nossos amigos portugueses) que eu preciso de um intensivo dessas aulas, enquanto ele já tira onda com seu vocabulário repleto de "comboio", "autocarro" "que, pá", etc. Quem sabe ele um dia não se anima a retornar ao blog para dar uma aula particular... ;-)

terça-feira, 2 de abril de 2013

Serviço de saúde na Austrália

Eu estava pra escrever esse post há um tempo, mas sempre esquecia.

Uma grande preocupação minha e do Thiago era com o serviço médico aqui na Austrália, sabíamos que era completamente diferente do Brasil e tínhamos receio de como iríamos nos adaptar. Mas vamos por parte.

A Austrália possui um serviço público de saúde (para cidadãos e residentes) chamado Medicare (cujo site agora foi incorporado ao “Departamento de Serviços Humanos” do governo australiano -, que funciona muito bem e em nada se compara ao serviço público no Brasil. Tanto que muita gente aqui nem faz um plano privado, mesmo podendo pagar por ele. Aproveito aqui pra ressaltar que tudo que falo abaixo se aplica unicamente aos que possuem visto permanente, não sei os detalhes de como funciona praqueles com visto de estudante, work/holiday visa, sponsored visa, etc.

Assim que chegamos na Austrália fomos no Medicare fazer nosso cadastro e em poucos dias eles enviam a carteirinha com seu número pelo correio. Eu e Thiago acabamos fazendo um cadastro só pros dois, recebemos o mesmo número e apenas um dígito verificador que nos diferencia. Com esse número vc já fica apto a usufruir do serviço de saúde.

Funciona basicamente assim: se for uma emergência, basta ir num dos hospitais públicos (detalhe que aqui até onde eu sei não existe hospital privado para atendimento emergencial, com plano de saúde ou não vc é atendido num hospital público e usando a carteirinha do Medicare). Eu tive uma experiência nos primeiros seis meses quando torci o dedo e fui checar se não havia fratura. Devo dizer que nesse dia achei a experiência muito ruim, fui no Royal Prince Alfred, que fica no bairro de Newtown, e fiquei 4 horas esperando pra ser atendida, mesmo com a emergência vazia. Pelo que tenho lido os hospitais tem sofrido com a falta de médicos e corte de verbas, e demoras acontecem mesmo. Em alguns hospitais, como o de Bankstown (que foi eleito um dos piores do país), a espera pode chegar a 25 horas!

Claro que isso só aconteceu pois meu caso não era tão emergencial. Assim que vc chega no hospital vc passa por um setor de triagem onde uma enfermeira avalia (por alto, claro) o seu caso e o grau de emergência, e só então vc vai pra sala de espera. Se o caso for mais urgente, vc é atendido mais rápido.

Me lembro que quando cheguei no hospital informei que tinha plano de saúde privado, na esperança de isso fazer eu ser atendida mais rápido. Mas não, isso não muda nada, pois o atendimento emergencial é coberto pelo Medicare. E aqui vai uma diferença gritante pro sistema brasileiro: o plano privado só cobre o que o Medicare não cobre. Se o Medicare cobre, vc não tem a opção de acionar o plano privado.

Agora vamos ao plano privado: eu e Thiago optamos pelo Medibank, que é bem popular por aqui. Nos primeiros meses pagamos uma franquia bem básica, se não me engano custava uns $150 (o casal), e depois quando nós dois conseguimos emprego aumentamos a cobertura e hoje pagamos uns $230 (o casal). Bem mais barato que no Brasil, mas a cobertura é muito diferente. Vamos às diferenças:

- Se vc precisa de um médico, não vai a um especialista, como ocorre no Brasil. Vai no GP (general practitioner), que vai te avaliar e, se ele achar que é o caso, te indicar para um especialista. Só com essa carta de referencia do GP é que vc pode ir no especialista. No meu caso eu fui num GP indicado por um amigo brasileiro e gostei de cara. Ele é um fofo, fala português - apesar de ser australiano ele adora o Brasil e tem um namorado brasileiro, com isso fala português praticamente fluente - o que me ajudou na tradução dos termos médicos. Se bem que tenho descoberto que muitos remédios que já tomei no Brasil tem o mesmo nome aqui, inclusive anticoncepcional (trouxe dezenas de cartelas do Brasil pra descobrir que a marca que tomo existe aqui e com o mesmo nome!), então não tem sido tão difícil quanto eu pensava. Tudo que eu pedi de indicação de especialista ele me deu sem questionar muito, mas não sei se é sempre fácil assim. rs

- Muitos GPs trabalham no esquema “bulk billed”, ou seja, a consulta é integralmente coberta pelo Medicare e vc não precisa pagar o excesso. Outros, como o meu, cobram um pouco acima da tabela do Medicare e vc tem que pagar o excesso, o que no meu caso significou apenas uns $15.

- Com o referral (carta de referencia do GP) na mão, vc pode marcar o especialista (dermatologista, cardiologista, etc). As duas tentativas que fiz, pra continuar um tratamento que fazia no Brasil, me levaram a descobrir que a consulta com o especialista é bem mais cara (no meu caso variou de $250 a $500 a consulta, mas acredito que mude muito dependendo do médico) e apenas algo em torno de $70 é coberto pelo Medicare. Outro ponto que achei um complicador é que não tem tantos especialistas assim pra vc “pesquisar preço”. Meu GP indicou um na carta, tentei achar outros e dermatologista, por exemplo, só encontrei uns 10 na região central de Sydney. Levando em conta que preciso marcar no Centro por causa do trabalho, e num horário muito cedo ou na hora do almoço, minhas opções se reduziram a 2.

Nesse ponto eu pensei: ok, a consulta é cara, mas como tenho plano privado ele vai cobrir a diferença. Ledo engano... Como me explicou um atendente do plano, o sistema de saúde privado na Austrália não é pra esse tipo de cobertura. Eles cobrem o que o Medicare não cobre: dentista, acupuntura, internação em hospital, cirurgias eletivas. O que o Medicare cobre (atendimento emergencial, consultas medicas, exames) vc tem que pagar o excesso, sem escapatória. Confesso que me irritou muito um pouco isso, afinal pago o plano privado pra que se não posso usar? Mas como diz o Thiago, se vc precisar de uma cirurgia não emergencial e não tiver plano privado, vai ter que entrar na longa fila de espera do Medicare. Aqui no trabalho mesmo a manager teve pedra na vesícula e o médico decidiu que extrair a vesícula era a única forma de parar as dores, mas como ela só tem Medicare, a lista de espera pra essa cirurgia era de 6 meses. Aí já me faz repensar a revolta contra o plano

- Se o especialista – ou o GP – te passar algum exame, como o de sangue, ultra, etc (o que dizem não é tão simples como eles fazem no Brasil, aqui a cultura é de quanto menos exames melhor) vc vai num dos laboratórios, paga e o Medicare (sempre ele) reembolsa integral ou parcialmente, depende do exame. Exames de sangue, ultra mais basica, raio-x costumam ser reembolsados integralmente.

- Ponto positivo: quando levei um recibo de exame para reembolso, fui atendida no Medicare rápido e em menos de 5 minutos saí de lá com um comprovante de depósito que seria feito na minha conta em 24 horas (e foi). No caso de consulta médica, a própria clinica normalmente faz a solicitação de reembolso e em 24hrs o dinheiro bate na sua conta (previamente cadastrada no Medicare). Tudo rápido, fácil e sem maiores burocracias.

- Tirando a minha revolta inicial com o novo sistema que terei que me adaptar, quando efetivamente recomecei a fazer o tratamento que tinha parado no Brasil o balanço tem sido bem positivo. O especialista me pareceu super experiente, a consulta inicial durou 1 hora, com ele tendo até a paciência de ver meus exames feitos no Brasil (mesmo em português, sem tradução... rs Eu até sugeri que ele visse só as imagens, mas ele foi bem audacioso e se aventurou nos laudos, só parando pra perguntar se “direito” significava “right or left”. haha). Nos exames que fiz os tecnicos foram até mais minuciosos que nos que tinha feito no Brasil, e por enquanto não tive nenhum problema com a tradução de sintomas, remédios, etc, o que era minha preocupação (viva a globalização!).

- Detalhe importante: numa tentativa de desafogar o Medicare, o governo australiano vem tentando estimular as pessoas (principalmente aquelas com condição social melhor) a pagar um plano privado. Assim, foi criada uma taxa para aqueles que não contratam um plano privado antes dos 30 anos, ou no caso de imigrantes que ja passaram dessa idade, ate 1 ano apos a chegada no pais. Como é explicado nesse site ( “Fundamentally, if you join Private Healthcare at a young age you benefit more as the years go by. And if you don’t take out Private Hospital Cover by your 31st birthday, you pay a 2% loading for every year you are aged over 30.”

A parte ruim disso tudo é que, claro, vc acaba sempre pagando algum excesso nas consultas e exames. Em compensação paga muito menos mensalmente pelo plano de saúde e muitos tratamentos são mais baratos que os equivalentes no Brasil. No final eu até mudei de opinião e estou preferindo o sistema daqui.

Quem teve a coragem e paciência de ler até aqui, desculpe o texto imenso, mas o assunto realmente rende bastante.